Show Review: com direito à Britney Spears anã e muito twerk, a liberdade de Miley Cyrus é o motivo de tanta festa com a Bangerz Tour em SP!



Não teve cachorro, hot-dog, nem língua gigante, mas o show da Miley Cyrus com a Bangerz Tour em São Paulo, na última sexta-feira (26), foi simplesmente uma das coisas mais legais que já vimos a cantora fazer e, meu Deus, se o blogueiro que vos fala sentisse mais partes do seu corpo, com certeza estaria escrevendo essa matéria enquanto  twerkava.

Se mostrando uma artista pra ficarmos de olho desde quando renasceu com a era “Bangerz”, primeira após se desvencilhar da sua personagem na Disney, Cyrus foi de ícone teen para o pior pesadelo dos pais mais conservadores e, dentro de sua turnê, finalmente encontramos um sentido em seu show: banalizar a inocência, em tempo que comemora a liberdade da forma mais vulgar possível, o que está longe de ser algo ruim.


Introduzida pela parceria com Britney Spears em “SMS (Bangerz)”, a apresentação já começa em clima festeiro, uma verdadeira bagunça, e as músicas seguintes fazem questão de dar sequência à zona. Os pontos altos ficam para “Love Money Party” (O QUE FOI AQUELE BACKDROP COM UMA MOCINHA SUUUPER PARECIDA COM ELA MAIS NOVA???), “4X4”, “#GETITRIGHT” e “Do My Thang”. Dentro da setlist, há também alguns buracos, como a série de covers, aonde a cantora brinca dizendo que o público não vai dar a mínima, mas cantará mesmo assim. Obviamente, quem sabia, cantou junto, principalmente “Jolene”, que é quase um clássico em seus shows, mas dava pra redistribuir as canções — ela também cantou “Lucy In The Sky With Diamonds”, dos Beatles, e “I’ll Take Care Of You”, da Etta James! Das baladinhas, “Maybe You're Right” e “Drive” parecem ser as favoritas do público.


Entre uma pausa ou outra, também contamos com interludes muuuuito legais, que iam de backdrops da cantora investindo em algo mais conceitual à surra de bunda com suas dançarinas. Uma das transições, inclusive, contou com uma execução de “Pretty Girls (Fun)”, descartada do “Bangerz”, que aqueceu o público para a performance de “23”.



Por mais que tentasse não transparecer isso, Miley também parecia bem cansada, coitada, mas se esforçou pra não deixar que isso afetasse a performance e com êxito, se divertindo tanto quanto o público e sorrindo o tempo todo, da maneira mais espontânea possível, enquanto também interagia bastante, tentava ler cartazes, escutar os gritos desvairados da multidão e recolher o máximo de presentes jogados no palco.



Por fim, o trio “We Can’t Stop” X “Wrecking Ball” X “Party In The USA”, que encerra o show, é pra destruir. Todo mundo canta junto sem medo de ser feliz e, logicamente, o bloco salta para o topo da nossa lista de momentos favoritos do show que, entre tantas coisas, contou com uma anã usando mascara da Britney Spears colegial de “Baby One More Time” (hahahaha!), um momento “kiss cam” durante a apresentação de “Adore You”, Miley ironizando um verso de “We Can’t Stop” enquanto sugere que a boca é dela e ela chupa o que quiser e muita sacanagem MESMO, porque nunca é demais.

Mesmo com o corpo esgotado, achamos demais e queremos de novo. Algum candidato a presidência já tocou no assunto “Bangerz Tour” em sua proposta de governo? Podia ter todo fim de semana ou mensalmente, o importante é repetirmos a dose. Aproveitando, deixamos aqui nosso MUITO OBRIGADO à Time For Fun, que nos convidou para sermos embaixadores desse show do milênio e, desculpa os defensores dos rumores quanto ao flop da tour no Brasil, mas não tinha espaço pra dança ou cortinas, viu? Rs. Tava LO-TA-DO.